sexta-feira, 25 de março de 2016

Prova da má fé, da má intenção e dos atos da Odineia, ex-diretora da Escola São Felipe na Matinha, Santarém Pará



O início do jogo!

Por que não pude escolher a minha escola?!
R: JOGO!
Por que não me deram as turmas da noite do São Felipe, do 3 do Médio e 3 da EJA?!
R: JOGO!
  Por me foram negadas as aulas de História Médio, EJA, Sociologia e Filosofia a noite no Saõ Felipe?!
R: JOGO!

Por que me mandaram para os cafundos do Judas, no Tabocal a noite, território do DEM (partido dos democratas)?!

R: JOGO!

R: Por que a Odneia estava com a demanda das turmas da noite na escola e ela não enviou para a 5ª Ure. O prof. Antônio continuava lotado nas turmas!



















 


Por que a MANIPULADORA da Odinéia mentiu sobre a lotação do porf. Antônio nas turmas da noite se ele não havia passado no concurso?!

R: JOGO!











 






Desmontando esta jogada.
Mentira! Ela sempre me chamava atenção na frente dos alunos, no meio da escola e na porta das salas onde eu estava dando aula. Cínica e dissimulada!
Onde está a ocorrência que ela fez por eu estar supostamente usando o celular numa avaliação pesquisada com a turma em circulo?!
Onde está a ocorrência da reclamação que ela foi fazer na sala da 5ª série, em frente à porta da sala no dia nos homicídios, em que ela me chamou de irresponsável?!
Onde está a ocorrência que ela fez por eu ter "abandonado" a turma do 1º ano sozinha na sala de multi-meios assistindo aula de revisão da matéria com o material do tele curso e estar em outra sala, do segundo ano, que induzida por ela não quis assistir, por ela disse que eu não sabia dar aula?! O pior é ver agora o Projeto Mundiar da Fundação Roberto Marinho da Globo usando o material do Telecurso nas escolas do estado.
E a pior de todas: Onde esta a ocorrência do dia dos homicídios quando fecharam a escola depois de mais de duas horas de exposição dos corpos na frente da escola?!
O que essa "louca" entende de Ética e de Moral?!
Por que esses documentos nunca foram me mostrados, se todos se referem a mim!? E o princípio da PUBLICIDADE DOS ATOS PÚBLICOS!?
A acusação de CALÚNIA era impossível pois pouco mais de 10 minutos do crime, aglomerou-se mais de 30 pessoas no local do crime, inclusive crianças e todos sabiam quem eram o autor e coautores do crime, como ela mesmo descreve.
O fato gravoso dessa cena, cerca de 17:30, foi que pedi para fecharem a escola e cancelarem a aula da noite, quando não me deram ouvido. Eu era o único professor na escola, telefonei à professora Odinéia e falei com ela e ela não quis fechar a escola dizendo que eu não tinha autoridade para aquilo, consequência, a aglomeração tornou-se uma multidão na frente da escola que só findou quando o Técnico Carlos chegou e isso sob pressão dos policiais.
Como se pode ler no último parágrafo do ofício 22, seguinte, a mesma já sabia da autoria do crime imputada a Catarino Lopes. DENUNCIAÇÃO CALUNIOSA
Onde esta a ocorrência deste dia?!


Se ela não estava tramando contra mim por que ela acolheu tantas ocorrências sobre mim, as guardou e não me notificou?!

 




































































OITIVA ODINEIA 5ª URE
Seu eu tivesse visto as ocorrências antes, esse transtorno todo não teria acontecido. VOU REPETIR: POR QUE NÃO ME DERAM UMA CÓPIA DO PROCESSO desde que se iniciou o PAD?!



Onde está o acordo que que ela alega que foi firmado no Juizado Especial, com o conteúdo que dizia que eu deveria me retratar perante a comunidade escolar?!


Senão vejamos, por que ela iria marcar uma reunião que ela negou depois de eu ter feito 20 pedidos para explicar minha metodologia e comprovar que sou especialista e Metodologia e Didática?! Outra se ela ganhou a audiência e eu não me retratei, por que ela não continuou o processo?! Será que ela vai alegar minha sanidade mental!? Quando ela soube da minha sanidade mental! Ela me processou mesmo sabendo do meu prontuário co CAPS!?







Como é que essa psicopata teve coragem de remarcar a minha reunião, que eu marquei na SLAJUBRA - Sala de Justiça da Ulbra do Juizado Especial!? É muita cara de Pau!



Por que esta doente mentiu na delegacia dizendo que não sabia direito onde eu morava?! Como se ela não soubesse meu endereço e não soubesse o horário que eu estaria em casa?!
Por que a intimação foi para a escola, para me constranger?!






Mas como você pode ver logo abaixo o meu endereço já estava no sistema como o da Travessa Dom Amando 1526 no mandado.






DA ACUSAÇÃO DE CALÚNIA E DIFAMAÇÃO


Como ela poderia ter me acusado de Calúnia se ela saiba da autoria do crime antes antes de prestar a queixa na delegacia, no dia 14 de maio de 2009, como fica comprovado no documento que ela encaminhou à 5ª URE, seis dias antes, no dia 08 de maio?!

A acusação de CALÚNIA era impossível pois pouco mais de 10 minutos do crime, aglomerou-se mais de 30 pessoas no local do crime, inclusive crianças e todos sabiam quem eram o autor e coautores do crime, como ela mesmo descreve.
O fato gravoso dessa cena, cerca de 17:30, foi que pedi para fecharem a escola e cancelarem a aula da noite, quando não me deram ouvido. Eu era o único professor na escola, telefonei à professora Odinéia e falei com ela e ela não quis fechar a escola dizendo que eu não tinha autoridade para aquilo, consequência, a aglomeração tornou-se uma multidão na frente da escola que só findou quando o Técnico Carlos chegou e isso sob pressão dos policiais.

Como se pode ler no último parágrafo do ofício 22, seguinte, a mesma já sabia da autoria do crime imputada a Catarino Lopes. DENUNCIAÇÃO CALUNIOSA


Onde esta a ocorrência deste dia (DIA DOS HOMICÍDIOS EM FRENTE A ESCOLA)?!



Veja que elas já começam confirmando que "os alunos Alexandre de Medeiros e Catarino Lopes já estavam embriagados dentro da escola" (desde o horario da manhã).
Os fatos narrados ocorrem em erro temporal das narrativas. Os alunos foram me pedir para lavar a moto entre o segundo e terceiro horáriose não no início do turno na frente da sala de aula, outra era normal lavarem carros e motos dentro da escola. Eles não voltaram a lavar a moto de imediato, pois só quando sai para o recreio é que percebi que eles não tinham lavado a moto, a moto esta muito próximo de uma das salas de aula e resolvi botar a moto atrás da cozinha para não causar nenhum transtorno para o andamento das aulas. Esta minha atitude era para evitar que eles ficassem transitando bebaods dentro da escola, fato este que era muito comum e a diretoria nunca tinha tomado medida nenhuma. Portanto eles só podiam ter retomado a lavagem da moto depois do recreio e salvo engano esles têm fotos deste dia.
A professora e a relatora da ocorrência mentiram pois foi só depois do incidente na quadra que a diretora tomou alguma medida efetiva. Outra mentira, elas não terminaram de lavar a moto. Como elas sabia do valor do acertado?! Errado o valor não era de 6,00 R$, o valor era de 5, 00 R$. Eu dei 6,00 R$ por que não tinha dinheiro trocado. 
Como o aluno recebeu os 6,00 R$?! Depois da professora Odineia ter expulsado os alunos da escola  o aluno de apelido "Pão" entrou na escola e foi me cobrar o dinheiro na frente da minha sal de aula. Perguntei a ele onde estava a Odineia ele me mostrou que ela estava no portão da escola. Por que ela não barrou a entrada dele?!
Ela só retirou os alunos da escola depois do showzinho que ela deu! Mas antes dela sair do local da ceninha a interrompi e lhe disse: "só tem uma cozinha errada nesse seu discurso professora; eu ainda não dei nenhum tostão a eles". O aluno só foi me cobrar os 5,00 R$, no final da última aula, completamente embreagado. Sera que ela queria que o aluno criasse uma confusão na escola?! Foi por isso que dei os 6,00 R$ a ele.

Nunca disse que ela era responsável pelos homicídios, mesmo por que todos os que estavam lá inclusive os policiais de uma viatura já sabiam quem eram os culpados.
O horário correto da pronúncia, da "isca", foi as 2 hs da madrugada quando voltei ao local do crime e os alunos continuavam bebendo e usando drogas no local do crime, um deles havia acendido uma vela em um dos locais das mortes e usei as seguintes palavras: "quando o inquérito começar o inquérito irão cobrar responsabilidade da diretora."
A responsabilidade que estava cobrando na hora do acontecido era que ela fechasse a escola e cancelasse a aula da noite, pois iria acumular muitos alunos na frente da escola, fato que ocorreu! Logo no mesmo dia umas 100 pessoas já sabiam quem eram os autores do crime. Como poderia ter imputado a ela a autoria, mesmo que fosse a autoria intelectual do crime?! Me poupe!

Minha versão dos fatos.
Por que minha versão dos fatos nunca foi colhida pela 5ª URE!? Por que eu nunca fui ouvido sobre essas acusações?! Achavam que eu iria perder no Juizado Especial!?

Argumentação de defesa no processo movido pela Odneia, mas que não foi juntada ao processo no caso de acusação de Calúnia e Difamação.











Relatório acerca da reunião do conselho escolar da Escola São Felipe realizada na 5ª URE no dia 17de jun. 2009.





Depois de ter falado e secretária ter aberto a reunião para as falas dos outros membros da mesa, senti-me completamente contrariado, pois quando comecei a me defender das acusações a reunião acabou, retiraram-me o direito de resposta. As acusações foram muitas e não pude me defender delas, aqui segue a argumentação e a exposição dos motivos:



DO USO DO LIVRO DIDÁTICO



A pior de todas as acusações foi a de não usar o livro na sala de aula, muito provavelmente essa acusação se refere ao ano passado, tendo em vista que no ano corrente utilizo, na sala de aula, dois livros, o didático, do prof. Pedro Santiago, da editora Escala Educacional, com o qual trabalho o texto, e o do prof. Mário Schmitd editora Nova Geração, com o qual trabalho a leitura de imagens. (esta atividade sobre orientação do Livro didático do Professor Pedro)



INTERDISCIPLINARIDADE, TRANSDISCIPLINARIDADE, “ASSUNTOS FORA DO CONTEÚDO”, “DESVIAR O ASSUNTO”, DE INVADIR O CONTEÚDO DAS OUTRAS DISCIPLINAS, SOBRE MINHA VIDA PESSOAL



Outra acusação completamente infundada foi a de que ao abordar assuntos relativos ao contexto e a conjuntura nacional e internacional acabo por não ver o conteúdo programado. Todo o assunto programado no ano anterior foi visto, principalmente no ensino médio, foram visto os seguintes assuntos: o mais estranho foi ver os alunos estranharem a interdisciplinaridade, quando, por exemplo, da crise econômica tratar de assuntos relativos a economia e de psicologia e psicanálise quando assim era terminologia utilizada pela mídia, histeria das bolsas, esquizofrenia do mercado e paranoia dos investidores, não entendia porque rejeitarem a discussão sobre a eleição norte americana do presidente Obama, se além de estar na mídia e ter tudo a ver com o conteúdo didático.

Não acho que tratar de assuntos que estão na interface de duas disciplinas, seja invadir o conteúdo de outros professores, se assim os outros professores não o fazem, “me dê licença”. Que diriam as professoras se tivessem assistido a minha aula no ano passado sobre sistemas sócio-econômicos, 7ª séria.

Resumidamente a aula se deu da seguinte foram. Iniciei aula perguntando se eles sabiam o que era um sistema econômico. Resposta geral não. Como assim, não!? E sobre o capitalismo o que eles entendiam, ninguém respondeu. Então diante de realidade, voltei o conteúdo para sistemas da Biologia, como a Bioesfera, nada, para sistema respiratório, nada. Perguntei a eles se sabiam o que era função e relação social, nada. Recuei para a Matemática, sistemas, nada. Voltei, então até teoria dos conjuntos, para eles entenderem o que era relação e função. Depois voltei para funções e relações sociais no capitalismo, então iniciou-se o conteúdo de História. Transdisciplinaridade.

A orientação do livro, que é proposta da LDB e é orientação para o ENEM, é a de que o professor deve partir das experiências de vida dos alunos, o problema era que os alunos não estavam acostumados, e não falavam sobre os seus cotidianos, fato este já superado. A estratégia foi a seguinte; passar como atividade de casa, assistir novelas e jornais para serem comentados do início das aulas, para daí partimos para o conteúdo do livro didático. Nas primeiras aulas como os alunos não estavam acostumados a interagir neste nível com o professor passeia a falar sobre minha formação, minha história de vida e minha vida particular em Santarém, e olhe que quase havia para se falar, pois não fazia nem um ano que estava aqui. Os alunos estranharam até de fazer a chamada no caderno, onde lhes perguntava: que time de futebol torciam, nome do pai da mãe, dos avós, que tipo de comida gostava, cor... atividade comuníssima da maioria dos livros de história: construindo a história de vida, bem típico do Enem e do PROJOVEM, e de uma proposta, construtivista e de da crítico-social de conteúdos.



O PROGRAMA E O CONTEÚDO DA MATÉRIA

Pelo amordi, sem essa de conteúdos sequenciais e lineares, pelo amordi!?

A LDB mudou de plano anual, para plano de ensino, por exemplo PLANO DE ENSINO MÉDIO E FUNDAMENTAL, para acabarmos com essa história de conteúdos lineares. O importante é abordar o máximo de conteúdos e que eles façam sentido na vida e no cotidiano dos alunos, e olhe que são muitos conteúdo, imagine o de História.

Relativo ao programa da disciplina o mesmo esta sendo desenvolvido não é um trabalho fácil, pois requer pesquisa, o do ensino fundamental, já tinha alertado a profa. Edna que achava um tanto de menos importância pois o conteúdo, metodologia e tudo o mais estava no livro do professor que era só bater uma xérox, parece que a profa. fez pouco caso e chegou ao absurdo de me cobrar e fazer uma ocorrência durante a greve. Pior é que de a muito tempo a profa. que ela estava sendo manipulada e me cobrava e me dizia as coisas mais absurdas, ela sempre retrucava perguntando se eu estava querendo diminuí-la, sempre diz que não, e perguntava a mim mesmo será que este povo esta zumbizado, hipinotizado e não consegue enxergar o que eu vejo clara mente.

A respeito do ensino médio pedi um tempo maior, pois estava adaptando o conteúdo e pensando no quarto ano do ensino médio, e estou até hoje equalizando esta equação extremamente complexa, mesmo por no ano que vem tem obrigatoriedade de ENEM, e sinto que os alunos não estão preparados, se não vejamos todas as reclamações, sempre lhes disse que naquela confusão toda eu era só um pau-mandado e que não estava inventando nada e não estava querendo ser diferente demais dos outros professores, e que só seguia a lei a LDB, os Parâmetros e os Referências Curriculares, que inclusive foram levados para sala de aula, principalmente no ensino médio.

Neste ano passei para os alunos da noite a mesma aula que passei para os alunos da tarde e da manhã do ano passado, nenhum estranhamento do alunos, mesmo porque são alunos mais velhos, e das etapas, que possuem uma outra proposta didático-metodológia, creio eu. A aula começava mais ou menos assim: Pense em um homem bonito, inteligente, sensível, da televisão brasileira, da Globo. Agora pense em um homem alto, branco dos cabelos pretos. Quem é ele: Reinaldo Gianequine. Que propaganda ele faz!? De um sapato, que sapato!? Porque!? O que nome do sapato tem haver com a Grécia Antiga. Democrata lembra que outra palavra. E assim começava a aula, era a isto que eles diziam que não tinha nada haver, e que desviava o assunto. Vc concorda que não tinha nada a ver!? Eu só não podia estar em todas as aulas demonstrando tudo, pois a descoberta dessas relações faz parte do processo da aprendizagem, relacionar o cotidiano com o conteúdo.



DA FALTA DE APOIO

A respeito dessa confusão, ano passado prevendo o que poderia acontecer fiz uma avaliação, com os alunos sobre a minha aula com todos os alunos das turmas, o resultado foi muito bom, a maior reclamação era que no começo eles não entendiam mas depois com o desenvolvimento principalmente da proposta de leituramento, e da leitura preguiçosa, eles passaram a gostar das aulas e que inclusive sobre minha orientação passaram a aplicar a leitura preguiçosa em outra matérias: geografia e biologia. A duas exceções, ano passado foram o segundo ano e a oitava série, mesmo porque muitas alunas interagiam com a profa. e emperravam aula por coisas completamente absurdas, a de se ressaltar que este ano elas, as alunas da oitava, sétima do ano passado, tentaram a mesma jogada, estratégia, fizeram um motim, me pediram para ir ao banheiro, liberei de uma por uma depois disseram que estavam apertadas e que eu não podia fazer aquilo que elas precisavam ir ao banheiro, boa parte das que saíram não voltaram, eu vi quando a professora Odnéia estava na sala dos professores e não tomou providencia nenhuma, ela simplesmente fingiu que não viu, e se retirou da sala dos professores. Pensei comigo mesmo não é possível que elas vão tentar de novo a mesma jogada do ano passado, dito e feito, chamei a profa. Edna e ela não compareceu à sala. Bingo no dia seguinte a professora Odnéia me chama à Diretoria para fazer uma ocorrência, a respeito do acontecido no dia anterior, pra variar quando chego à sala metade da ocorrência já estava feita, lembro a profa. que no ano passado as alunas fizeram, parecia coisa combinada, para variar foram as mesma alunas que vi conversando com a professora Odnéia: Jéssica Perreira, que chegou a dizer para o pai dela que a tinha convidado para ir a um motel, o pai dela veio tomar satisfação, e lhe disse que desde o ano passado não queria nem papo coma filha dele, que ela era muito mentirosa, Kélvia, que no início do ano havia me dado muito trabalho mas que depois de uma conversa com ela, havia melhorado muito, esta aluna é uma excelente “atriz da Globo” ela finge muito facilmente estar chorando e sentindo dores e sofrimento., a aluna Joyce Kellen, que mesmo não tentando interagir com elas acaba se irritando e saindo da sala, a aluna Diana, que inclusive há um fato interessante com esta aluna, desde que voltamos de um dia de lazer na chácara do S. Natinho, as alunas ficaram perguntando a ela se ela tinha ficado comigo, ela me procurou dizendo que estava chateada que elas não paravam de perturbar, disse lhe que ela respondesse o que ela quisesse, que eu não devia satisfação sobre aquilo pra ninguém na escola, e ela só devia satisfação a mãe dela, e a mais ninguém lá, o interessante foi ver como da noite pro dia a profa. Odnéia ficou amiguíssima da aluna fazendo as pessoas acreditarem que ela esta preocupada com a integridade física e moral das alunas, isto desde o ocorrido com a aluna Jéssica, do primeiro ano, como ela andava propalando pelos corredores da escola. No mês de maio a aluna Diana me confidenciou que era mesmo do jeito que tinha conversado com ela, que a profa. já tinha perguntado a ela muitas vezes se agente tinha ficado.



DA ATITUDE COM ALUNA JÉSSICA DO 1° DA TARDE



O mais contraditório desta história é que a minha atitude com aluna Jéssica, de perguntar a ela por telefone se ela queria namorar comigo, era por que no dia anterior, havendo jogos na escola, percebi que um grupo de homens, inclusive que não eram alunos da escola, de nenhum turno, estavam cercando a aluna. Ela havia sentado no local onde eu estava observando os outros alunos, o melhor é que nesse dia havia muitos casais dentro da escola, de alunas de 13, 14 e 15 anos com seus namorados, a maioria maiores de 21 anos dentro da escola, e isso lá é normal, e parece que a direção e o conselho tutelar não vê isso acontecendo, que é coisa normal na maioria das escolas de Stm, principalmente em época de jogos e de festividades. Voltando ao problema da Jéssica, neste dia a aluna havia ido sentar no local que eu estava antes de ir a sala dos professores verificar se a internet estava ligada, é engraçado, por que na escola, uma hora dessa na história da humanidade, ainda não chegou o programa internet nas escolas, por que o laboratório de informática esta “se sucateando” e os computadores ficando a cada dia mais obsoletos ainda não foi instalado e posto em funcionamento!?, quando os rapazes se aproximaram ela se afastou mais para próximo de mim, a professora Diolene, minha ex-namorada, deve ter percebido a cena e passou a interagir com a gente, brincando pedindo para eu ligar para o telefone dela, pergunto a Jéssica se ela estava namorando com o menino que ela estava namorando no ano anterior, ela diz que não, mudamos de conversa e passamos a conversar sobre o futuro de e sobre o que ela queria fazer no vestibular.

Como já disse, no outro dia pelo telefone pergunto se ela quer namorar comigo, ela pergunta por que e eu me refuto a dar mais explicações, ela diz que não, e mudamos de conversa, e pergunto sobre a tia dela, se ela já havia chegado!? Ela diz que não, e peço-lhe que quando ela chegasse ela me ligasse.

Não lembro agora, alguns dias depois a professora me chama à Direção, para conversar sobre o telefonema e a aluna, o melhor foi observar que metade da ocorrência já estava feita, antes mesmo de conversarmos. A mãe me pergunta o que eu queria com a filha dela se eu sabia que ela tinha catorze anos, eu respondo que sim que gostava muito dela, e que não estava entendem pois, na comunidade era muito comum o relacionamento de homens de maior com menores, ela pergunta como eu iria fazer, se não era uma questão de ética namorar com aluna, e respondo que aquilo era muito fácil de resolver, que eu iria tira-la da escola, e que ela autorizasse, nós nem namoraríamos e sim noivaríamos, para não deixar margem a outras interpretações e mesmo porque a aluna já havia tido relacionamento com homens adultos que eu mesmo havia presenciado, no ano anterior quando fomos a praia ponta de pedra,a professora comentou que havia dito que tinha achado estranho o comportamento da aluna perto dos homens, eu neguei, e a professora insistiu, percebo que ela já tinha escrito da forma como ela tinha narrado, peço a ela que mude, e pergunto a mãe se ela tinha ouvido daquele jeito, a mãe de início diz que sim e depois refresco a memória dela e ela alerta a professora que realmente eu tinha dito daquele jeito e que ela devia mudar o que ela tinha escrito, ela ainda assim se recusa a mãe insiste que ela mude, ela diz que no final iria fazer uma observação, agora imagine se eu tivesse confiado de novo na professora, como no período da lotação, em me foi retirado o terceiro ano, senão vejamos as turmas da manhã do ano passado do 1° e do 2º eram minhas, como esta na lotação do ano passado, as turmas do 1º, 2º e 3º da tarde eram minhas, como esta na lotação, como a profa. me vem este anos querendo me fazer acreditar que a turma do terceiro ano da manhã não era minha e que não existia isso na escola, que professor não era dono de turma eu alerto, que no dia da conversa quando fui reclamar do “papelão” que fiz na turma do terceiro este ano, quando fui para a sala pensado que a turma era minha, alguns alunos ficam rindo, adivinha os mesmo que interagiam com ela, mas a metade da sala acha tudo muito normal e começa a tomar anotação do conteúdo, isto significa que muitos alunos nem sabiam o que estava acontecendo e que alguns alunos e alunas agiam como se fossem a consciência coletiva da sala, algumas alunas se retiram as mesma alunas problemáticas do ano anterior, e vão para a sala da direção, termino a aula e vou à sala da direção, cobrar satisfação das professoras. Começamos a discussão e peço explicação porque tiraram a turma de mim. A professora começa dizendo que não havia essa de que a turma era minha, eu pergunto como assim se as turmas do anos passado serem minhas e que se a professora era professora da 5ª a 8ª, que pelo princípio da continuidade do processo ensino-aprendizagem a professora deveria, por uma estrita racionalidade humana , ela deveria ter ficado com o primeiro ano mesmo por que os aluno do primeiro aluno eram os alunos dela no ano anterior, elas ficam caladas por um instante quando a professora Odnéia interpela dizendo que era só pra dividir a carga horária, que a professora era a professora exclusiva da escola, no que a professora Gilcélia concorda, eu replico e digo que não tinha nada a ver, que o professor exclusivo do São Felipe era eu, e que o que elas estavam, tentando, elas que eu digo: Odnéia, Gilcélia e Risonete, era tirando o direito de dar uma resposta objetiva a todas as acusações que me haviam feito no ano anterior, e que se o terceiro ano ficasse comigo ira colocar alguns alunos dentro da UFPA e da UEPA, eu ainda perguntei se a professora não tinha outra carga horária em outra escola, ela me responde cinicamente, que não, a professora Gilcélia, dizendo que não tinha mais o que fazer, que eu tinha assinado a lotação eu disse: bacana professora eu confiei em vc e vc nem me avisou e fiz papel de idiota na sal de aula. Bem alguns dias depois, numa conversa geral com os professores, pergunto a professora Lucimara qual era a carga dela na outra escola, e ela me responde, muito descontraída, para surpresa minha: 150 horas, e ela ainda me pediu para dividir minha carga horária!?



DO USO DA TABUADA E DA BAIXA RACIONALIDADE DOS ALUNOS

No ano anterior fiz algumas avaliações diagnósticas coletivas em todas as turmas para fazer levantamento do conteúdo, converso com alguns professores de matemática e ele me informam que o desempenho era satisfatório. Findo o ano letivo participo das reuniões de planejamento da escola, ao contrário do que a professora Edna informou na reunião, um dos dias foi para o Cipoal, para a Escola João XXIII, e para “surpresa” minha os resultados de Matemática são horríveis, no dia seguinte, retorno para as reuniões no São Felipe, onde fui até escolhido como coordenador, se eu não me engano, de uma ação da escola, na discussão do PDE, estranho ouvir as professoras dizerem que não participei da semana pedagógica, nos dias seguintes, participei das reuniões de manhã e de tarde, inclusive discutimos sobre os resultados, para variar os resultados do São Felipe em Matemática foram pífios, e mesmo assim neste ano nenhum professor incentivou a utilização da tabuada, mesmo estando na secretaria desde o ano passado.

Num dos livros que uso na sala de aula, em um capítulo sobre a Grécia há uma aula sobre a lógica ocidental, que trabalha com Geometria, a ideia de belo, beleza e simetria, Lógica, com sofismas, silogismo categórico. O engraçado é dei a mesma aula, nas turmas no ano passado e o alunos acharam estranhíssimo porque inclusive falei sobre Teorema de Pitágoras, regra de três, numa das turmas precisei voltar até fração. Nestas turmas, este ano, levei o livro do professor Mário Schimtd, e por surpresa deles era a mesma aula que eu havia dado para eles no ano anterior, na maioria das turmas, neste ano, não havia mais discutições sobre as minhas aulas, a não ser no 1º ano da tarde que já havia terminado no final de março, as discussões em sala permaneciam somente na oitava, série, lá não levei, LDB, Parâmetros, Referenciais, nem muito menos o livro do Mário Schimtd, para ver até onde aquilo ia, ao meu ver, alguém continuava manipulando a cabeça das alunas, pois não tinha mais lógica as mesmas discussões todas as aulas, pois todas já haviam sido dirimidas nas outras salas. Muitos alunos estavam aplicando minha metodologia de estudo em todas as matérias. O todos viram na reunião, no final, era algo, que eu via todos os dias e de a muito tentava alertar, principalmente, a professora Edna, nunca disse que a nota de avaliação de conselho de classe seria a nota do bimestres, as alunas da oitava série, repetiam de forma histeria, todas as aula, a mesma pergunta e faziam a mesma afirmação, que eu não podia usar os alunos para avaliar, e todas as vezes repetia que a nota de conselho de classe era somente uma das compostas, para formar a nota do bimestre.



DA REUNIÃO DO CONSELHO, E DA AUDIÊNCIA NA SALJUBRA

No dia da reunião na escola, marcada na Saljubra, uma das mães, pediu a palavra, e inacreditável, a Professora Odinéia quase não quis me dar o direito de resposta, se não fosse a insistência da mãe eu não teria me explicado do uso da tabuada. Bem como já dito fiz uns testes com os alunos, bem simples, como: se com 1 kg de trigo vc faz 3 bolos, com 3 kg vc faz quantos bolos!? A maioria das turmas do fundamental até a 7ª não souberam responde, somente na oitava alguns alunos responderam. No médio poucos alunos responderam, mudei o nível para: um lavador de moto em duas horas lava 7 motos em oito hortas ele lava quantas motos, surpresa a imensa maioria dos alunos não responderam, adivinha por que, enganchavam no 7 x 8. Qual era o problema então!? A tabuada. Muitos pais fizeram comentário que eles mesmos resolveram a tabuada e acharam uma idéia muito boa.

Nunca disse em momento algum que a nota da tabuada e nem a nota do conselho de classe serviria para outra matéria, estas notas serviriam somente para minha matéria.

A respeito da reunião do conselho escolar com os pais, havia pedido desde do ano, várias vezes à professora Odnéia, que ela se realizasse para se dirimir todas as dúvidas. Nunca fui atendido, ela só se realizou por, poi um acordo, respeito do processo que a professora tenta mover contra mim, na justiça comum, na audiência de conciliação ocorrida na ULBRA, não foi a pedido da professora. No meio da audiência em minha argumentação lembrei a professora, que havia pedido várias vezes uma reunião com o conselho, que inclusive achava estranho o presidente do conselho ser a diretora e o vice, a vice-diretora, e sempre questionava: como posso pedir conselho a mim mesmo, como posso fiscalizar a mim mesmo!? E que deveríamos mudar o regimento escolar e do conselho. A professora me responde, só naquele dia que deveria ter encaminhado por escrito. Findo a audiência, o mediador usa os seguintes termos: professora ta muito fácil de resolver, mas ao mesmo tempo esta muito difícil. Ele pergunta com eu iria resolver, e lhe digo que não tinha o que fazer que a impetrante era ela, e que para mim eu não havia caluniado em hipótese nenhuma e diretora, que o que tinha havia era uma má interpretação de quem ouviu. Ele pergunta a ela se ela não queria marcar a reunião, e lá se resolveria tudo e todas as dúvidas seriam tiradas. Engrçado que naquela hora ela concordou, sem pedir documento por escrito. Foi o que fiz e além disso me defender das acusações da reunião na 5ª Ure que ocorreu depois. Não sei se a professora comentou sobre o que teria acontecido na ULBRA.



AS NOTAS E AS CADERNETAS

A mesma coisa aconteceu comas notas e as cadernetas. Quando acabei de expor os motivos da tabuada, me encaminho para a sala dos professores, e surpresa, a professora se refere a mim pelas costas, tentando fazer os pais acreditarem que mesmo assim eu era irresponsável, volto para me defender, o professor Adson intervém, tentando me impedir de falar, um dos pais interpela e diz que quer me ouvir, tomo a palavra e uso os seguintes termos: é muito simples; não entreguei as notas e as cadernetas pois as notas do primeiro bimestre dependiam da tabuada que valia 10 pontos e que as pessoas teimavam em fazer os alunos acreditarem que não tinha nada a com a matéria, e que inclusive a recuperação do bimestre dependia da tabuada. O bom é que no dia seguinte eu recebi cerca de umas setenta tabuadas, inclusive a quase maioria da oitava série.



DAS PROPOSTAS E DOS PROJETOS

As propostas de projetos estão desde o início do ano na escola, tabuada, leituramento , de avaliação e de avaliação qualitativa do conselho de classe. E não incentivaram nem a da tabuada, mesmo com o baixo rendimento diagnosticado e discutido na semana de planejamento. Somente o professor do Cipoal se prontificou a ajudar, e ficou de analisar a proposta da tabuada



DA LARISSA E DA BIANE

Um dia a tarde a aluna Biane chega na sala dos professores chorando por que não aguentava mais as alunas do segundo ficarem a atormentando todos os dias dizendo a mesma estória; que o professor era doido que não existia este negócio de aluno-monitor que era invenção minha e que ela não podia avaliar os amigos delas, o interessante era que eles queriam mais influenciar nas notas do que questionar o método.

Neste dia o seguinte subiu a cabeça, disse a ela que ela não desistisse e que eu ira tirar definitivamente a dúvida e acabar com aquela histeria coletiva. No início do quarto tempo foi para a sala do segundo exaltado, nem lembro quem era o professor que estava em sala. Disse aos alunos que parassem de perturbar a Biane e que n aula seguinte irai acabar com aquilo. Na aula seguinte levei a LDB , os parâmetros e os referenciais para dentro da sala de aula. E olhe que eu já havia pedido para as professoras, Gilcélia e Odnéia inúmeras vezes os documentos, que elas diziam que não se encontravam na escola, e eu questionava como aqueles documentos essências não estavam na escola!?

No início deste ano o problema continuava, até que a professora Diolene me mostrou um Documento, que eu nem sabia que existia; da 1ª conferência estadual de educação do estado do Pará onde , lá esta no ponto 2.6 bem claro: que as escolas devem implementar o projeto de aluno-monitor nas escola. Resalte-se que o documento é uma cobrança às escola do estado que coloquem a LDB em prática, mesmo com muito atraso. E um dia, na semana seguinte a ter levado o documento para as salas do ensino médio, parecendo-se vencida a professora Odnéi disse que eu deveria ter calma e paciência. A qual eu retruco: como paciência se a LDB era de 1996, professora!? agora os alunos sabem verdadeiramente quem estava querendo ser diferente aqui, não é possível que, agora eles não compreendam, que eu sou apenas um pau-mandado e que estava botando em prática o que a lei mandava, ou pelo menos tentando.

Logo depois das discussões acerca da monitoria, a aluna Larissa umas das minhas melhores monitoras da tarde que havia mudado de turno por causa das confusões me aborda, chorando, me abraçando, dizendo que haviam mentido para ela e que por ela não tinha mudado de turno, disse a ela que se acalmasse, que poderia conversar com a mão dela,. Ela disse que não dava mais por que ela tinha de cuidar dos irmãos pela aprte da tarde.



DA DISCUSSÃO COM A PROFESSORA ROSA

No ano passado havia percebia que a professora de Inglês insistentemente interagia comigo nas minhas aulas, posto que as aulas dela era sempre colada com a minha na sal ao lado. Um dia na sala dos professores estavam eu ela e o professor Reysivaldo, e percebo que ela esta cruzando as conversa para mi dar indiretas, espero o professor sair e início um diálogo com ela enquanto El navega pela internet procurando o resultado de um concurso e verificando a colocação dos candidato, todas as vezes que ela encontrava um nome ela chamava alguém da secretária para ver.





SOBRE SAIR DA SALA DE AULA E DE ADIANTAR AULAS

As reclamações da técnica; Edna , dizem respeito às quartas feiras, em que eu não tenho aula, no primeiro horário na 7ª da tarde e eles tem horário vago, quase todas as semanas adianto alua lá já tenho umas duas aulas de crédito, que nunca são computados. O que acontecia era que no segundo horário tendo deixado os alunos realizando alguma atividade em sala saí par verificar as outras salas, se tinham aulas vagas ou ao e acabava dando uma volta pela escola. Uma reclamação feita pela tec. Edna foi de que um dia eu sai da sala deixei os alunos assistindo um filme-documentário sobre Roma e que a reclamação dos alunos era porque eu havia deixado o áudio em português com as legenda em inglês para que os que gosto da disciplina, Inglês, pudessem treinar. Completamente sem propósito, pois todas as vezes que era necessário subir aulas os professores tinha a prática de passar atividades em outra sala e irem para a outra sal dar aula expositivas, como pode um professor estar orientando duas atividades, ao mesmo tempo, em duas sala. N a maioria das vezes em que subia aula usava a s sala de vídeo e passa ou um filme ou um documentário, e sempre passava alguma atividade a cera do vídeo ou filme. Vale ressaltar que o desejo de fazer alguma ocorrência sobre mim era tão grande que a professora esqueceu que num deste dias de reclamação era uma quinta pela manhã, eu havia chegado no recreio e não havia merenda, e eu não havia tomado café pois costumava merendar na escola, e eu fui comprar um lanche em gente da escola. Que eu me lembre o outro acontecido foi a tarde e eu tinha ido resolver o problema de nota de um aluno, Raimundo do segundo ano, referente a nota dele do ano passado.



DO PROBLEMA DO CIPOAL

Sobre o problema do Cipoal ao contrário do que foi dito na reunião, o problema lá foi resolvido numa reunião com as mães. Lá eu mostrei o programa do livro e levei algumas monitoras, as mães entenderam e ficaram satisfeitas com a proposta.



DO PROGRAMA DE MONITORIA

A única coisa que fia foi sintetizar as duas propostas a da conferência com a do Professor PEDRO Santino, autor do livra do ensino médio. E a respeito disto já havia alertado a professora Edna, que não era tão urgente a o conteúdo e o plano de ensino do ensino fundamental, que tudo estava no livro do professor e se ela quisesse, eu bateria uma Xerox. Acho que a proposta é inovadora e poderia ser implementada pelos outros professores, tendo em vista que distribui o poder de avaliar com os alunos e facilita ao professor, enormemente em outras atividades, mesmo porque ninguém melhor do que os próprios alunos para avaliar o comportamento deles em sal de aula, eles se conhecem muito bem.



DA ENTREGA DO CURRÍCULO

Toda essa confusão na escola começou desde o dia em que entregue o meu currículo na secretaria da escola. A intenção era que os alunos parassem de tentar me dizer o que era história e o que não era. Um dia fiz um desafio para parar com aquilo que eles trouxessem um outro professor de história para sal que nos iríamos discutir sobre as escolas historiográficas a começar pela Escola dos Annales. Principalmente a terceira geração que pensa na história do sutiã, da tapinha de coca-cola, até qualquer assunto que sirva de mote para se iniciar uma aula. Inclusive no site da Anphu, Associação Nacional há várias proposta de aulas e conteúdos interdisiciplinares.


A cerca da minha lotação das turmas da noite que nunca foram pagas.

Por que a manipuladora da Odinéia mentiu sobre a lotação do porf. Antônio nas turmas da noite se ele não havia passado no concurso?!

R: JOGO!

Adivinha por que ela pegou as turmas de Sociologia a noite, que eram do Antônio, ficando nos três horários, manhã, tarde e noite na escola?!

R: JOGO!













































Nenhum comentário:

Postar um comentário